A origem do povo judeu

A origem do povo judeu mistura-se aos livros sagrados do judaísmo, cristianismo e islamismo. É importante traçar aqui a genealogia deste povo uma vez que, mesmo nos dias de hoje, os fundadores destes povos ainda são lembrados e invocados. Se você acha que quem vive de história é museu, é bom rever seus conceitos. Nós só vivemos o presente e este é, justamente, a resultante de todo o nosso passado. Mais precisamente, entender o conflito no Oriente Médio é uma tarefa complexa. A civilização nasceu naquela região. Então, irei me ater apenas ao que realmente interessa para fins de entendimento do conflito Israel e Palestina. Mesmo assim, o texto é longo e não poderia deixar de sê-lo.

Anjo impede que Abraão sacrifique seu filho por Jeová

A origem do povo hebreu

O povo hebreu é um povo semita (um ramo lingüístico comum a hebreus e árabes), descendente de Éber, filho de Noé, que por sua vez é descendente da 9ª geração de Adão e Eva e era formado por pastores nômades viviam na cidade de Ur, na Mesopotâmia. Ali, às margens do Rio Eufrates, nascia Abrão, filho de Terá, no seio de uma família politeísta. Abrão desde cedo se recusou a aceitar o politeísmo e a idolatria às estátuas e aos astros. Tentou convencer seu pai e o povo de que tudo aquilo deveria ser obra de um único deus. O rei de Ur, Nimrod, sentiu-se particularmente ameaçado e insultado, pois ele mesmo queria ser considerado um deus. Ele condenou Abrão a morrer dentro de uma fornalha ardente, mas, milagrosamente, Abrão saiu da fornalha sem se queimar.

Por volta dos seus 75 anos, o deus de Abrão (chamado aqui de Jeová) finalmente se revela e pede para que Abrão deixe sua terra e parta para outro lugar. Ele se dirige para Canaã com sua mulher Sara, com sua família e com os convertidos ao monoteísmo, mas no meio do caminho resolve parar na cidade de Harã (atual Turquia), que também era um grande entreposto comercial no Oriente. Em Harã, Jeová faz um pacto com Abrão, prometendo descendência numerosa, o rebatiza como Abraão (que significa “pai ou líder de muitos”) e lhe promete uma terra para seus descendentes. Esta terra prometida era Canaã (que é hoje onde fica Israel, Sul do Líbano e parte da Síria). Abraão continua sua longa peregrinação até a terra prometida, de acordo com a aliança firmada com Jeová. Canaã era habitada por cananeus, descendentes de Cam (neto de Noé). Entre outros deuses, os cananeus adoravam Baal e El, deus dos deuses. Este sincretismo entre Abraão e cananeus iria ser a base do monoteísmo judaico. Na verdade, os povos seminômades adoravam diversos deuses, mas precisava-se de um único deus forte para justificar um estado teocrático que desse respaldo para a autoridade de um único rei. As histórias, que eram apenas passadas oralmente de geração a geração, começaram a ganhar forma, cronologia, e assim, entre 1700 a.C e 400 a.C (as datas diferem, pois, ainda não há consenso), o Torá (ou Pentateuco) começou a ser redigido e incluía os livros: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

Uma vez em Canaã, Sara, mulher de Abraão, estéril e pretendendo dar um filho a seu marido, ofereceu sua serva egípcia Hagar para que gerasse o primeiro filho a Abraão. Hagar então gerou a Ismael, considerado pelos muçulmanos como o ancestral dos povos árabes. Mais tarde, aos noventa e nove anos, Abraão foi circuncidado e após Deus ter anunciado que Sara daria a luz a um filho – Isaac, que seria o herdeiro da promessa (de gerar uma grande nação). Isaac nasceu no ano seguinte a esse anúncio. Isaac foi instrumento da maior prova de fé de Abraão, quando Deus ordenou que ele levasse Isaac ao alto de uma colina para sacrificá-lo. Ao ver que Abraão, resignado e com uma faca pronta para degolar o seu filho, Deus enviou um anjo a segurar sua mão, impedindo de matá-lo.

Por volta de seus 60 anos, quando Abraão já tinha 160, Isaac teve filhos gêmeos com sua esposa, Rebeca. Nasceram Esaú (primeiro a sair do ventre e, portanto, primogênito) e Jacó. Quando Isaac estava velho, cego e achando que estava prestes a morrer, pediu para que Esaú sair, caçar e lhe fazer um bom guizado, prometendo logo em seguido abençoar o filho antes de morrer. Quando Esaú saiu, Rebeca chegou Jacó, seu filho preferido, e fez um guizado. A idéia era que Jacó se passasse por Esaú para receber a bênção de Isaac. Dito e feito, Jacó engana o pai enquanto Esaú ainda estava fora para caçar e entrega o guizado. Depois de ter comido, Isaac abençoou Jacó e disse: “Deus te dê do orvalho do céu e da ferilidade da terra. As nações hão de inclinar-se diante de ti e tu serás o senhor de teus irmãos. Maldito seja quem te amaldiçoar e bendito quem te abençoar!“. Foi assim que Jacó se tornou herdeiro das promessas. Quando Esaú chegou, ficou furioso e planejou matar Jacó.

Jacó fugiu para a Mesopotâmia e ficou por lá por 20 anos, até deus pedir para ele regressar à terra de seu pai, ao que ele prontamente obedeceu. No caminho, um homem misterioso lutou com ele até pela manhã. E disse-lhe então:“Deixa-me porque já vem vindo a aurora”. Jacó respondeu: “Não te deixarei partir enquanto não me abençoares”. O homem misterioso disse-lhe “Daqui em diante não te chamarás Jacó, mas Israel – que quer dizer guerreiro de Deus – porque se lutaste com tanta valentia com Deus, muito mais forte serás contra os homens”. E o abençoou.

Mais tarde, Esaú reconciliou-se com Jacó. Este teve doze filhos (10 filhos dele e 2 adotados): Rúben, Simeão, Levi, Judá, Dan, Neftali, Gad, Aser, Issacar, Zabulon, José e Benjamim. Estes dariam origem às 12 tribos de Israel. Elas sairam de Canaã numa época difícil para a agricultura e se estabeleceram no delta do rio Nilo, no Egito. Alguns acabaram subjulgados e escravizados pelos egípcios. Moisés, por volta de 1500 a.C, os levou de volta à terra prometida. Lá, eles viveriam como tribos independentes até o Rei David fundi-las num único reino judeu, numa única e forte monarquia cuja capital passaria a ser Jerusalém (então, Cidade de David). Nascia o povo judeu, conforme a tradição bíblica nos conta.

Compartilhar

  1. DébyDéby11-17-2009

    A história está correta, o unico detalhe, é que Jacó não tinha filhos adotados, seus dois filhos mais jovens eram José e Benjamim, filhos de sua esposa predileta Raquel.E além disso ele também teve uma filha mulher Diná

    • jeremyasjeremyas11-18-2014

      ata então os judeus nunca fora negros só o resto do mundo …..

    • jeremyasjeremyas11-18-2014

      A VERDADE É QUE TODO JUDEU ASSIM COMO TODO SER HUMANO SAIU DA AFRICA MÃE… TODA HUMANIDADE JUDEU ,ALEMÃO ,PORTUGUES ,ETC JA FOMOS TODOS NEGÕES E AFRICANOS …AMEM

  2. AlexandreAlexandre01-02-2013

    Por favor me mostre a referência bíblica aonde está escrito que Nimrod tentou queimar Abraão numa fornalha, será que você não está misturando as histórias?

    • UrielUriel05-24-2014

      Nós acreditamos que nem tudo foi escrito na torá ou nos profetas. Maia que nossos sábios nos ensinam coisas que foram vistas por pessoas e que passaram verbalmente de pais à filhos. No entanro se você lê todo artigo abaixo vai entendender algo:
      Abraão, o primeiro monoteísta

      O nome original do primeiro patriarca era Abrão (Avram), até D’us mudá-lo para Abraão (Avraham), que quer dizer “pai de muitas nações”. De fato, somos proibidos de chamá-lo de Abrão, seu nome de nascimento.

      Abraão nasceu por volta do final do segundo milênio antes da era comum (a.E.C.) na cidade de Ur Casdin, na Mesopotâmia, região localizada no Crescente Fértil, berço da civilização ocidental. Na época em que Abraão nasceu, o politeísmo – a crença em várias divindades – reinava supremo no mundo. Segundo a Torá, seu pai, Terach, apesar de descender de Noé e de Shem, servia a “deuses estranhos”. Considerado o principal idólatra da região, mantinha uma loja onde vendia estátuas e representações de divindades. Mas o filho de Terach não sucumbiu às práticas de seu pai.
      (morasha)

      • UrielUriel05-24-2014

        Segundo as nossas tradições, Abraão descobriu a existência de um Único D’us observando o sol e a lua, que se alternam no céu, e a natureza a sua volta. Sua intuição aliada a sua mente sagaz, fizeram-no concluir que devia haver um Ser Supremo que governava todo o universo e estabelecera e geria as leis da Natureza. Só um Ser Supremo e Perfeito poderia ter criado algo tão perfeito. Sua percepção estava de acordo com os ensinamentos que havia adquirido na Academia de Shem, em Jerusalém.

        Abraão passou a tentar convencer seu pai Terach e a população de sua região sobre a falsidade do politeísmo. Mas suas atitudes, seus questionamentos e sua eloqüência em transmitir a Verdade que descobrira, de que há um Único D’us, Senhor do Universo, chocavam-se com todos ao seu redor. O rei de Ur, Nimrod, sentiu-se particularmente ameaçado e insultado, pois ele mesmo queria ser considerado um deus. Furioso com as atitudes de Abraão, o rei condenou-o a uma fornalha ardente. “Se seu D’us realmente existe, Ele que o salve”, declarou o rei Nimrod a Abraão.

        Abraão foi salvo por D’us e emergiu do fogo da fornalha sem a menor queimadura. Foi um dos dez testes aos quais Abraão foi submetido durante sua vida. Um teste de fé no Todo-Poderoso, do qual Abraão emergiu triunfante como em todos os demais que enfrentou.
        (morasha)

    • urieluriel05-24-2014

      “Lech Lechá”

      Somente aos 75 anos, após décadas de absoluta e total devoção, o Eterno Se revelou a Abraão pela primeira vez, apresentando-Se com o chamado Divino “Lech Lechá” – “Sai da tua terra, da tua pátria e da casa do teu pai para a terra que Eu te mostrarei” (Gênese 12). As palavras Lech Lechá literalmente significam “Vai por ti mesmo”.

      No momento em que D’us se revelou pela primeira vez, Abraão já havia realizado feitos sem precedentes. Descobrira a verdade do D’us Único, desafiara o rei mais poderoso da época e também sacerdotes, sobrevivera à fornalha ardente e convertera milhares à fé monoteísta. Tudo isso conseguiu por si mesmo. Não tinha um mestre nem uma tradição para guiá-lo, nem uma voz celestial para dirigi-lo. Nada além de seu intelecto e de sua incansável busca pela Verdade Absoluta.

      Mesmo assim, quando finalmente obteve a revelação Divina, ele recebeu a ordem de “Vai por ti mesmo: deixa de lado teus talentos (“tua terra”), tua personalidade enraizada em teu meio ambiente (“teu local de nascimento”) e tua sabedoria fenomenal (“da casa de teu pai), e segue D’us até “a terra que Eu te mostrarei”. D’us ordena a Abraão abandonar todas as influências externas para segui-Lo. A partir do momento em que D’us revelou a Abrãao Seu caráter único, Abrãao passa a cumprir Suas instruções e a seguir Suas ordens, que o levariam mais próximo de D’us e de Sua Verdade.
      (morasha)

    • UrielUriel05-24-2014

      E então prometeu o Todo-Poderoso: “E farei de ti uma grande nação. Eu te abençoarei e engrandecerei teu nome. Tu serás uma bênção. Eu abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem” (Gênese 12:1).

      As promessas Divinas

      Após obedecer a Ordem Divina, Abraão seguiu em direção a Canaã com sua esposa Sarai, seu sobrinho Lot e todos aqueles a quem tinha convertido à nova fé. Uma vez em Canaã, D’us lhe revelou Sua Vontade e fez uma série de promessas a Abraão, selando com ele pactos que iriam ligar para sempre o povo de Israel a D’us. Promete a Abraão que seus descendentes herdarão a terra. “Eu darei esta terra a teus descendentes” (Gênese 12:1), repete D’us em várias ocasiões.

      Mas Abraão não tinha filhos e, sendo um grande astrólogo, sabia que só a Vontade Divina poderia fazer com que tanto seu destino e como o de Sarai, sua esposa, fossem revertidos para que, assim, pudessem conceber um filho. Se não tivesse um filho, a quem poderia transmitir sua herança espiritual? – perguntou Abraão ao Eterno. Quem iria propagar a fé entre todos os povos? D’us assegurou-lhe que iria ter filhos e prometeu multiplicar a descendência de Abraão, dizendo que seria tão numerosa quanto “as estrelas do céu”.

      Mas Abraão, temeroso pelo futuro de seus descendentes, pediu uma prova tangível de que a Terra Sagrada lhes pertenceria. D’us então lhe mostrou o futuro de seus descendentes – as provações que teriam que enfrentar, os sucessivos impérios que se levanta-riam contra eles. Ressaltou, no entanto, que Israel sobreviveria a todos os perigos e os venceria. Foi esta a promessa do Eterno. Como a promessa de D’us é irrevogável, a Terra Sagrada caberá, em última instância, a Israel, mesmo se este – por não cumprir a Vontade Divina – a perder por algum tempo.A promessa do Todo-Poderoso de que Abraão seria uma bênção e geraria bênçãos implicava também que receberia Sua proteção. Portanto, o Eterno é o Escudo de Abraão, Magen Avraham, e, como seus descendentes, pedimos a D’us, todos os dias, em nossas orações, que também seja nosso Escudo.
      (morasha)

    • UrielUriel05-24-2014

      A Aliança Eterna entre D’us e o povo de Israel

      Quando Abraão tinha 99 anos, D’us Se revelou novamente para selar com o patriarca, através do brit milá, Sua Aliança Eterna com o povo de Israel. Diz o Eterno a Abraão: “Eu sou D’us, Todo-Poderoso, anda diante de Minha presença e sê perfeito” (Gênese 17). “Até agora não foste perfeito diante de Mim”, disse D’us a Abraão, mas ”circuncida-te, então andarás diante de Mim (à vista dos homens) e serás perfeito“. E o Eterno ordenou: “E vós sereis circuncidados na carne de vosso prepúcio. E será o símbolo de uma aliança entre Mim e vós…” (Gênese, 17:11). “E vós mantereis Minha aliança, vós e todos os vossos descendentes, por todas as gerações” (Gênese, 17:9-12).

      Tão forte é a ligação que existe entre Abraão e a circuncisão que, ao ser realizada, incluímos na berachá pronunciada no ato a frase “Abençoado és Tu, Senhor, nosso D’us, Rei do Universo, que nos santificaste com os Seus Mandamentos e nos ordenaste introduzi-lo na Aliança de Abraão, nosso patriarca”.

      Até então o nome de nosso patriarca era Abrão (Avram), que significa av Aram – “pai de Aram”, sua terra natal, mas a partir desse momento D’us lhe dá um novo nome, Abraão – (Avraham), contração de duas palavras – av hamon, que significa “pai de uma multidão”. A mudança de nome indica seu novo status, “perfeito” perante D’us e pai de uma multidão de nações que seriam fundadas por ele. Tão significativa foi esta mudança que somos determinantemente proibidos de chamá-lo pelo seu nome anterior. D’us também mudou o nome de sua esposa, nossa primeira matriarca. Sarai, que significava “minha princesa”, foi mudado para Sarah – “princesa para todas as nações do mundo”.
      Foi nessa ocasião em que mudaram seus nomes, que D’us revelou-lhes o futuro nascimento do filho tão desejado – Isaac, nosso segundo patriarca.
      (morasha)

    • UrielUriel05-24-2014

      Principais características: fé e amor

      Abraão, ensina o Talmud, era bom com os Céus e com os homens. Nos textos místicos, é a personificação do atributo de chesed – bondade – a emanação divina (sefirá) da benevolência, generosidade e amor infinito. As duas características principais da personalidade do patriarca eram guemilut chassadim e emuná: atos de bondade e fé em D’us.

      Abraão servia a D’us principalmente através do amor que se manifestava tanto em sua devoção a Ele como através de um contínuo e incessante amor por seus semelhantes. Exemplo supremo do homem bondoso e justo, Abraão estava sempre preocupado com o bem-estar dos outros, respeitando e amando todos os seres, cercando-os de atos de bondade e generosidade. Abraão mantinha o seu lar sempre aberto a todos, sem perguntar quem eram ou por que o visitavam. Oferecia a todos – anjos ou mendigos – abrigo e alimento. Em troca, só pedia que seus hóspedes agradecessem a D’us, o verdadeiro Provedor de tudo no mundo. A Torá afirma que D’us escolheu Abraão porque ele seria capaz de ensinar seus filhos a praticar a caridade e a justiça (Gênese 18:19).

      Abraão também possuía um senso imenso de responsabilidade com as pessoas ao seu redor. Apesar de todas as dificuldades e obstáculos que enfrentou durante sua vida nunca questionou o Criador; sua fé em D’us era absoluta. Mas, mesmo assim, não hesitou em contestar e até enfrentar o Eterno para salvar alguém do sofrimento e da morte. Relata a Torá que ao ser informado por D’us de que a destruição de Sodoma e Gomorra era iminente, Abraão implorou pela vida de seus habitantes, apesar de saber que eram malvados e cruéis. O Talmud, então, afirma que “qualquer um que tenha compaixão pelas pessoas, certamente descende de Abraão, nosso patriarca”.

      (morasha)

    • UrielUriel05-24-2014

      E o Eterno testou Abraão

      O amor e a fé de Abraão em D’us permaneceram inalterados e inabaláveis durante toda a vida de nosso patriarca, apesar dos testes e obstáculos que teve que enfrentar. Para testar a sua devoção, D’us submeteu Abraão a dez testes. Entre estes, o patriarca enfrentou o fogo, a fome e reis idólatras, lutou contra poderosos exércitos e foi obrigado a abandonar o seu lar e a sua terra. No seu último e mais difícil desafio, o único que a Torá relata, Abraão prova estar disposto até a sacrificar o seu tão amado filho, Isaac, para obedecer a ordem Divina. Nenhum relato da Torá foi – e ainda é – mais analisado e comentado por sábios e filósofos do que o sacrifício de Isaac.

      A Torá nos diz: “Após esses eventos, D’us testou Abraão” (Gênese 22:1). O Eterno ordenou ao patriarca que tomasse o seu filho Isaac, dizendo: “Vai para a área de Moriá. Traze-o como um holocausto…” (Gênese 22:2).

      A Torá relata os acontecimentos: a viagem do pai com o filho, os preparativos e o fatídico instante quando Abraão estende a mão e toma a faca para cortar a garganta de seu filho único e um anjo de D’us o chama: “Abraão! Abraão!” “Eis-me aqui”, responde o patriarca. (Morashá)

  3. DOMINGUINHOSDOMINGUINHOS05-15-2013

    A HISTORIA TÁ BEM CONTADA ,MAS ACHO QUE QUEM FOI ENVIADO PARA A FORNALHA FOI DANIEL Á MUITOS ANOS DEPOIS.

  4. CLEONICECLEONICE05-23-2013

    É VERDADE…JACO NÃO TEVE NENHUM FILHO ADOTIVO , SEUS DOIS ULTIMOS FILHOS ERAM FILHOS DE RAQUEL SUA ESPOSA A QUEM JACO AMAVA E SE CHAMAVAM,JOSÉ E BENJAMIN , E ABRAÃO NÃO FOI JOGADO EM UMA FORNALHA DE FOGO , EU NÃO ACHEI ISSO NA BÍBLIA , SÓ MAIS UM DETALHE….ANTES DE O ANJO ABENÇOAR JACO , ELE LHE PERGUNTOU O SEU NOME E ELE RESPONDEU…JACÓ , DAI O ANJO LHE DEU A BÊNÇÃO E MUDOU O SEU NOME DE JACO PARA ISRAEL

  5. CLEONICECLEONICE05-23-2013

    OS DOIS FILHOS MAIS NOVOS DE JACO ERAM FILHOS DE RAQUEL SUA ESPOSA A QUEM ELE AMAVA , JOSÉ E BENJAMIM , E JACO NÃO FOI JOGADO NA FORNALHA , OUTRA COISA…ANTES DE O ANJO ABENÇOAR A JACO , LHE PERGUNTOU SEU NOME E MUDOU PARA ISRAEL. É UMA HISTÓRIA LINDÍSSIMA!!! EU AMO ESTAR SEMPRE REVISAND.

  6. ElaineElaine08-07-2013

    Nossa que absurdo!!!vai ler a BIBLIA e depois vc corige o que escreveu ta!!!

  7. luizluiz09-02-2013

    Daniel foi jogado na cova dos leões.

  8. alvaroalvaro11-09-2013

    daniel foi jogado na cova dos leões, sadraq mesaq e abadnego foram lançados na fornalha. Uma duvida: Israelitas veio de israel (jacó)? judeus de judá filho de jacó?

  9. GABRIELAGABRIELA03-24-2014

    eu tenho uma biblia sagrada que eu GOSTO de LER so uma duvida : porque Jacó teve doze filhos ?

    • CinthiaCinthia04-20-2014

      Isso era um costume da cultura dos hebreus. Por ainda viverem no Período Patriarcal, ou seja, os patriarcas eram a autoridade política e moral do clã(por exemplo, seu avô gera filhos, nesse caso seu pai, que gera outros filhos, nesse caso você; a partir do seu avô é que descende a sua família. Naquele tempo se escolhiam os homem mais valentes e dotados de sabedoria para administrarem o povo) e conduziam seus descendentes e rebanhos de oásis em oásis, além de exercerem as funções de sacerdotes, juízes e chefes militares. A sociedade hebraica era formada por famílias numerosas que seguiam a tradição de gerar muitos filhos-muitas vezes avaliava-se o valor da mulher pela quantidade de filhos que ela conseguia gerar.

  10. luizluiz04-19-2014

    Por primeiro, é de se dizer que os povos semitas habitavam que são da armênia e adjacência. Depois, que naquela época não existia papel e menos ainda tinta; além de todos serem analfabetos. pois, o saber ler escrever eram coisas de pouquíssimos reis e alguns sacerdotes. Portante, essa relação de nomes não pode nunca, formar uma genealogia. Da antiguidade clássica só os pergaminhos do Mar morto, fala de alguma coisa, sem no entanto, indicar nada desse rol. Portanto, isso tudo é uma mentira deslavada, para sustentar dois sistemas religiosos, o judaísmo e o cristianismo; os grandes males da humanidade.

  11. luizluiz04-19-2014

    Escrito que precisa ser aprovado, isso caracteriza censura prévia, o que fere a Constituição do Brasil, que garante a liberdade de expressão. Quem não gosta de opositores, que não abra espaço para comentários.

  12. irmãoirmão06-10-2014

    De onde tu saiu com esta istória ?

  13. jorge ferreirajorge ferreira10-01-2014

    pra quem quer saber sobre a passagem de Abraao pela fornalha, leia o livro dos justos (citado por Davi no livro ii reis, vera toda a historia sobre Abraao e outros.

  14. isaiasisaias10-01-2014

    Eu sei que nada sei;mas eu existo e se existo tem de haver um criador supremo e eterno!

  15. jeremyasjeremyas11-18-2014

    A VERDADE É QUE SOMOS TODOS AFRICANOS … O QUE ME ASSUSTA É QUERER SEPARAR TRIBOS PARA JUSTIFICAR DESIGUALDADE HUMANA …TODOS NOS JA FOMOS PRETOS E SOMOS PRETOS NA RAIZ SEJA JUDEU , ALEMÃO , PORTUGUES …ETC…

  16. jeremyasjeremyas11-18-2014

    A E VOCES QUE NÃO DIVULGUEM MEU COMENTARIO PARA VOCES VER SE EU NAO O DIVULGO POR CONTA PROPIA

Leave a Reply